Divertida Mente: Crítica

Inside Out

Título Original: Inside Out

Gênero: Animação, Comédia

Duração: 94 min

Ano de Lançamento: 2015

Diretor: Pete Docter e Ronaldo Del Carmen

Roteiro: Pete Docter, Ronaldo Del Carmen, Meg LeFauve, Josh Cooley

Elenco: Amy Poehler, Phyllis Smith, Richard Kind, Bill Hader, Lewis Black, Mindy Kaling, Kaitlyn Dias

Mais um filme da Pixar que mantém o equilíbrio perfeito entre o emocional e o cômico. As emoções de quem assiste se afloram com o filme e, principalmente, a nossa imaginação.

O nascimento de Riley começa com Felicidade no comando, percebe-se de início que os sinais da personagem são simples e que o botão de controle é um só, demonstrando a simplicidade da mente de um recém nascido que evolui de acordo com o tempo. Tristeza logo aparece e Continuar lendo

Homem-Formiga: Crítica

Ant-Man

Título Original: Ant-Man

Gênero: Ação, Ficção Científica

Duração: 117 min

Ano de lançamento: 2015

Diretor: Peyton Reed

Roteiro: Edgar Wright, Joe Cornish, Adam McKay, Paul Rudd. Quadrinhos: Stan Lee, Jack Kirby e Larry Lieber

Elenco: Paul Rudd, Evangeline Lilly, Michael Douglas

Não sou a pessoa mais indicada para escrever sobre um filme da Marvel, já que sou Decenauta (curto DC) e não cedo muito as produções desse universo. Mas aqui estou para criticar esse filme que me impressionou.

Homem-Formiga não chamou tanto a  atenção do público como Vingadores 2 (já falaremos um pouco sobre ele), então isso poderia ser um fator para baixar a expectativa de muitas pessoas, no entanto, depois de ver o filme vi pessoas impressionadas com o que viram e comentando sobre como o filme foi bom.

Concordo plenamente com essas pessoas. Não esperava nada de Homem-Formiga, parecia ser um filme de herói tão “fraquinho”, tanto o herói, quanto o filme. O super poder de encolher parece, à primeira vista, uma habilidade inútil, mas que torna-se incrível. A força de um super humano do tamanho de uma formiga, isso é fantástico.

O filme conta, obviamente, com muitos efeitos especiais, especialmente para as cenas que se passam na escala reduzida do herói. Esses são feitos de maneira perfeita, sem que seja perceptível algum erro, o que faz dessas cenas um motivo de pensamento para o espectador que pensa: “Será que não aumentaram a escala dos objetos pra gravar?”. Além disso, nas cenas de Continuar lendo

Cidades de Papel: Crítica

Paper Towns

Título Original: Paper Towns

Gênero: Drama, Mistério, Romance, Aventura

Duração: 109 min

Ano de lançamento: 2015

Diretor: Jake Schreier

Roteiro: John Green (autor), Scott Neustadter e Michael H. Weber

Elenco: Nat Wolff, Cara Delevingne, Austin Abrams, Justice Smith, Halston Sage, Jaz Sinclair

O mercado cinematográfico tem apostado, e muito, em adaptações literárias de livros YA (Young Adult), direcionados para adolescentes. John Green está em sua segunda viagem por esse país onde páginas se tornam filmes e tem sua terceira viagem confirmada com “Quem é você, Alasca?”. Ano passado iniciou-se com A Culpa é das Estrelas, filme que teve grande sucesso, assim como seu livro. Agora com Cidades de Papel, John Green está sendo “o nome da vez” novamente, porém, não existe muita razão.

É fato que o mesmo autor de um livro que teve repercussão incrível e, inclusive, virou “moda” será levado “à boca do povo” em seu segundo livro adaptado para as telas de cinema. A publicidade feita para o filme é grande e atinge vários públicos e meios de comunicação. John Green e Nat Wolff (Quentin Jacobsen) estiveram no Brasil e fizeram várias entrevistas. Enfim, o hype é grande e, como na maioria das vezes, até demais.

Sou um grande fã do John Green e de seus livros. Fui ao cinema umas 3 semanas depois de reler Cidades de Papel para ter uma comparação mais clara com o filme. Sobre esse aspecto Continuar lendo

Medianeras: Buenos Aires na Era do Amor Virtual – Crítica

Medianeras (1)

Título Original: Medianeras
Gênero: Drama e Romance
Duração: 95 min
Ano de lançamento: 2011
Direção e Roteiro: Gustavo Taretto
Produção: Natacha Cervi e Hernan Musaluppi
Elenco: Javier Drolas, Pilar Lopez de Ayala, Inés Efrone Carla Peterson.

Medianeras, como já indica o subtítulo, é um filme argentino e que se passa em Buenos Aires. Inicia-se com um monólogo de Martin (Javier Drolas) sobre a falta de planejamento e as divergências de estilo dos prédios da cidade que, segundo ele, mostram a inconstância e as diferenças dos moradores dali.

Martin então fala sobre sua vida e sua impressão de não ter saído da frente do computador por 10 anos, já que trabalhava como web designer. Ele é uma pessoa com problemas, físicos (por isso a troca da cadeira e a consulta com o médico que aponta o raio-x com o cigarro), psicológicos (a partida de sua namorada que deixou a cachorra Susu e distúrbios emocionais), sempre a busca de um equilíbrio e algo que o agrada e traga paz.Seu uso de chats online (foco no antigo MSN) tem uma grande importância na trama e no desenrolar do filme. Continuar lendo

Sense8: Crítica da 1ª Temporada

sense8

Criadores: Irmãos Wachowsky e J. Michael Straczinsky
Gênero: Ficção Científica, Drama
Duração:
45-66 Minutos

A nova série da Netflix não chama muita atenção no início, mas surpreende.

Estava terminando de assistir um filme quando apareceu-me a opção de assistir o primeiro episódio de Sense8 (Sensate, pra quem assiste e ainda não entendeu e pra quem ainda não assiste). Não dei bola e simplesmente desliguei o computador. Dias depois no Youtube vi uma propaganda da série e nela estavam cenas que me agradaram, procurei saber mais sobre a série. Não descobri muito, mas o suficiente.

Essa série foi criada pelos Irmãos Wachowski, criadores de Matrix. Baseia-se em 8 pessoas a redor do mundo que fazem parte de um grupo e são chamados de sensate. Elas podem comunicar-se entre si e ver/sentir o que os outros veem, porém, isso no início da série ainda está sendo descoberto e não faz muito sentido. Conforme as coisas vão se desenrolando, essa conexão torna-se mais forte e eles passam a usar isso a favor de causas deles. Continuar lendo

Poltergeist – O Fenômeno (2015): Crítica

poltergeist-o-fenomeno_t30255_jpg_290x478_upscale_q90

Título Original: Poltergeist
Gênero: Terror, Suspense
Duração: 93 min
Direção: Gil Kenan
Roteiro: David Lindsay-Abaire (Roteiro); Baseado no filme de Steven Spielberg: Poltergeist (1982)
Produção: Roy Lee; Sam Raimi e Robert G. Tapert
Elenco: Sam Rockwell (Eric Bowen); Jared Harris (Carrigan Burke); Rosemarie DeWitt (Amy Bowen) e Saxon Sharbino (Kendra Bowen); Kyle Catlett (Griffin Bowen); Kennedi Clements (Madison Bowen) e Jane Adams (Dr. Brooke Powell)

Olá, sejam todos bem-vindos, e o primeiro post do blog vai ser a crítica do filme Poltergeist – O Fenômeno (2015). Estamos em época de remakes/reboots e continuações de filmes clássicos e das décadas de 70/80 como Star Wars, Exterminador do Futuro, Mad Max e, lógico, Poltergeist. Poltergeist foi um filme de 1982 escrito por Steven Spielberg e dirigido por Tobe Hooper (O Massacre da Serra Elétrica). Tem seu plot baseado em uma família que se muda para um bairro residencial que foi construído na região de um cemitério que, em teoria, foi movido dali para um outro lugar. Toda a trama desenrola-se em volta da garotinha Carol Anne que fala com os poltergeists que se manifestam pelos aparelhos eletrônicos da casa, mas principalmente pela televisão. O filme de 2015 dirigido por Gil Kenan não muda o plot de uma maneira perceptível, mas Continuar lendo